Notificação de zika é compulsória a partir desta quinta, diz ministro

O ministro da saúde Marcelo Castro fala durante reunião entre representantes de institutos de pesquisa do Brasil e dos EUA para discutir ações contra o vírus zika em Brasília (Foto: Evaristo Sa/AFP)

"Um dos objetivos é observar casos de microcefalia associados ao vírus.
Marcelo Castro participou de reunião entre Brasil e EUA sobre o zika".

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou que a partir desta quinta-feira (18) se tornou compulsória a notificação de casos de doenças relacionadas ao vírus da zika. A medida foi publicada na edição desta quinta do "Diário Oficial da União".
Castro deu a declaração pouco antes de participar de uma reunião entre representantes de institutos de pesquisa do Brasil e dos EUA para discutir ações contra o vírus. O encontro foi no prédio de Brasília onde funcionam as representações da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Organização Mundial de Saúde (OMS)Na prática, explicou o ministro, com as notificações, o ministério passará a ter uma contabilidade específica sobre a relação entre a microcefalia e o vírus da zika. Até então, a microcefalia, mesmo decorrente do vírus da zika, vinha sendo notificada como malformação congênita. Com a mudança, o governo quer tornar mais precisa a observação dos casos de microcefalia decorrentes da zika.
“Publicamos hoje [quinta, 18] uma portaria tornando a enfermidade do vírus da zika de notificação compulsória no Brasil. No caso da microcefalia, embora já houvesse a necessidade de notificação, ela [notificação] estava entre outras inúmeras malformações congênitas e, a partir de agora, daremos um destaque especial. O que a portaria faz, na prática, é tornar obrigatória a notificação do vírus da zika relacionado à microcefalia”, afirmou o ministro.
Segundo Castro, o objetivo da reunião desta quinta entre institutos brasileiros e norte-americanos é abordar o desenvolvimento da vacina contra o vírus e tipos de tratamento para quem for diagnosticado com zika. O ministro da Saúde disse que também serão discutidos testes “mais eficazes e mais rápidos” para o diagnóstico.
Castro voltou a dizer que as vacinas contra o zika deverão estar prontas em um ano e, em três anos, prontas para serem distribuídas. Ainda segundo ele, um dos pontos que as pesquisas devem esclarecer é se os casos de microcefalia ocorrem exclusivamente por ação do vírus da zika ou se outro fator contribui.
“O que nos falta, e é sobre isso que trata a parceria entre Brasil e Estados Unidos, é estabelecer se o vírus sozinho é a causa suficiente da microcefalia ou se há necessidade de algum fator contribuinte. Ou seja, [saber] se o que causa a microcefalia é só o vírus da zika ou o vírus associado a alguma outra coisa”, ressaltou Castro.

Fonte: Globo

Related

Saúde 4788937541752968274

Postar um comentário

TV Web TriLivre

Bem Vindo Ouvinte!

Seja bem vindo a Rádio Tribuna Livre, um portal de entretenimento garantido onde você vai poder ouvir as melhores músicas, ficar por dentro das notícias e interagir com a galera mais antenada da rede. Faça seus pedidos, participe das promoções e deixe seu dia muito mais animado com esse som!

Receba As Notícias por E-Mail

Qual seu Estilo?

Tempo em Juquiá

Tempo Juquia
item