Dezembro Laranja alerta a população para uso correto e diário do protetor

Foto:Reprodução
O Verão ainda não chegou oficialmente, mas o calor e os dias ensolarados não deixam dúvida que está na hora de redobrar os cuidados com a exposição ao sol. Dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) projetam o registro de 175 mil novos casos de câncer da pele não melanoma no Brasil em 2016.

O câncer de pele não melanoma é o de maior incidência na população brasileira, seguido do câncer de próstata e o de mama. Pensando em mudar essa realidade, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) lançou a campanha Dezembro Laranja, que busca sensibilizar a população para os cuidados com a pele e o uso do protetor solar, os riscos da doença e a importância do diagnóstico precoce para evitar danos maiores ou mutilações mais profundas.

De acordo com o oncologista Rodrigo Munhoz, especialista em tumores de pele e sarcoma do Hospital Sírio-Libanês, quando diagnosticado e tratado em suas fases iniciais, o câncer de pele do tipo não melanoma pode alcançar de 75% a 90 % de sucesso no tratamento. 

“Estudos vêm demonstrando o crescimento no número de câncer de pele, especialmente porque a difusão da necessidade de uso do protetor é relativamente recente. Há cerca de duas décadas, as pessoas não tinham preocupação, daí a necessidade de uma maior sensibilização da população desse problema, que é sério e que pode ser evitado”, completa o médico. Munhoz ressalta que, nesse período do ano, quando as pessoas estão de férias e muito mais expostas à radiação solar, é preciso redobrar os cuidados e a atenção. “A cultura do bronzeamento a qualquer custo precisa ser combatida, pois os danos são muitos”, completa o médico.

Com uma postura parecida, a dermatologista Marcela Vidal, do sistema Hapvida,  chama atenção para o fato de que a maioria das pessoas não sabe aplicar o protetor solar. “Como se não bastasse isso, as pessoas ainda têm uma falsa ideia de que as peles morenas, mais comuns no Brasil, estariam mais protegidas, esquecendo que a melanina não oferece tanta proteção contra os raios UVA e UVB. “É claro que as pessoas mais claras, com fototipo mais baixo, apresentam dano celular mais cedo, mas as diversas variações de pele morena e negras precisam de proteção e bloqueador com fator, no mínimo, 30”, esclarece.

Quanto à necessidade de produção da vitamina D, a médica lembra que 15 minutos diariamente de sol na pele, nos horários antes das 10h e depois das 15h, já garantem uma boa produção de vitamina. “Áreas como a coxa, a parte interna do braço, a barriga são excelentes para garantir uma boa metabolização da luz solar, pois é importante lembrar que partes onde já há danos provocados pelo sol não conseguem garantir absorção tão eficaz”, completa. 

Bloqueador solar 
Marcela ressalta que o uso do bloqueador solar não deve se limitar apenas quando se vai à praia ou piscina e precisa se tornar um hábito como escovar os dentes. Ela lembra que a aplicação deve ser feita sempre 30 minutos antes da exposição, em duas etapas, e a reaplicação deve ser feita a cada duas horas ou toda vez que a pessoa entrar na água ou transpirar muito. 

A especialista explica que no rosto e no pescoço é preciso aplicar uma quantidade equivalente a uma colher de chá. A mesma medida vale para cada braço. A porção equivalente a duas colheres de chá devem ser destinadas a barriga e costas, além das pernas. “Essas medidas devem ser aplicadas 30 minutos antes da exposição uma primeira vez e a operação deve ser repetida imediatamente, esse é o truque da proteção eficaz”, ensina. Ela lembra que as orelhas e a parte de cima dos pés não podem ser esquecidas. 

Crianças menores de 6  meses não devem se expor diretamente ao sol e as crianças devem usar o bloqueador e outra barreiras mecânicas como as blusinhas com proteção solar, sombreiros, bonés e chapéus. Para as pessoas mais claras, o fator de proteção precisa ser de 50 ou mais. 

Melanomas ou não 
Rodrigo Munhoz explica que existem dois tipos de câncer de pele: o melanoma, que é o mais agressivo, com maior risco de complicação e metástase e que responde por 5% dos casos, e o não melanoma. Esse último é mais comum, é responsável por 95% dos casos de câncer de pele e tem uma relação direta com a exposição solar, especialmente aquele excesso de sol tomado na infância, que só vai aparecer décadas depois. 

O  maior órgão do corpo humano  é heterogêneo e, por isso mesmo,  o câncer de pele não-melanoma pode apresentar tumores de diferentes linhagens. Os mais frequentes são o carcinoma basocelular e o carcinoma epidermoide. O carcinoma basocelular, apesar de mais incidente, é também o menos agressivo. Marcela Vidal ressalta que qualquer mancha ou sinal que apareça e tenha um comportamento estranho deve ser submetido à análise. “É importante ressaltar que não adianta ter medo, pois quanto mais cedo for identificado e tratado, melhor serão as chances de tratamento”, completa. 

O médico chama atenção para o fato que, embora muito agressivo e imprevisível, o melanoma é raro e pessoas ruivas, com pele e olhos claros, casos de câncer de pele na família precisam ser acompanhados bem de perto. “Os imunossuprimidos também precisam ter uma atenção especial”, completa.
Fonte:Correio24horas

Related

Saúde 69545872275278923

Postar um comentário

TV Web TriLivre

Bem Vindo Ouvinte!

Seja bem vindo a Rádio Tribuna Livre, um portal de entretenimento garantido onde você vai poder ouvir as melhores músicas, ficar por dentro das notícias e interagir com a galera mais antenada da rede. Faça seus pedidos, participe das promoções e deixe seu dia muito mais animado com esse som!

Receba As Notícias por E-Mail

Qual seu Estilo?

Tempo em Juquiá

Tempo Juquia
item