Efeito Tite: Brasil lideraria eliminatórias mesmo sem partidas da "era Dunga"

Foto:Reprodução
Após a vitória por 3 a 0 diante do Paraguai e com a combinação de resultados, o Brasil garantiu a classificação para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. A chegada de Tite, em junho do ano passado, foi o estopim da arrancada que alcançou oito vitórias seguidas. Arrancada tão grande que o Brasil continuaria líder das eliminatórias mesmo se fossem excluídos os seis jogos onde Dunga era o comandante da equipe.

Ao assumir a Seleção, Tite encontrou o Brasil com nove pontos. Oito jogos depois, somou 24 à pontuação anterior e alcançou o topo da tabela. Mas mesmo sem os pontos conquistados anteriormente, a Seleção ultrapassaria a atual vice-líder Colômbia, que possui a mesma pontuação, mas perde no saldo de gols. 

Os números da equipe sob o comando de Tite são impressionantes: foram 24 gols marcados em oito jogos - média de três por partida - e apenas dois gols sofridos: um contra e um em cobrança de pênalti. Apenas o Uruguai possui mais gols marcados em toda a competição, com 26. O Brasil na "era Tite" também supera todos os adversários no quesito vitórias, visto que Colômbia, Uruguai e Chile conquistaram sete resultados positivos, contra os oito do Brasil.

Durante o "Redação SporTV" desta quarta-feira, o comentarista Roberto Avallone afirmou que a euforia com a Seleção neste momento é justificada, mas escolheu fazer o papel de "advogado do diabo" e relembrou alguns casos onde o Brasil chegou com a autoestima elevada à Copa do Mundo, mas não correspondeu ás expectativas.

Temos motivos para que todos estejam eufóricos, porém não custa ser um pouquinho "advogado do diabo". Que não seja esta seleção igual a de 2014, que depois de um 2013 muito bom na Copa das Confederações deu no que deu. E nem igual a de 2006, quando fez aquela Copa das Confederações extraordinária com o tal do quadrado mágico e depois também deu no que deu. É como aplicação financeira: o rendimento deste mês não significa a garantia do mês que vem - comentou.

Outro a falar sobre a atual fase da Seleção foi o comentarista Fábio Seixas. Para ele, o 7 a 1 na Copa de 2014 não serviu como lição no extra-campo, mas pode ser útil para o elenco atual, por conta da presença de muitos deles na derrota, que ainda é recente.

- Era muito distante quando a gente falava da Copa de 50, lembrava de outras tragédias do futebol brasileiro porque os jogadores nem tinham vivido aquilo e muitos nem se interessam em conhecer a história. Essa equipe do Tite, muitos estavam em campo e quem não estava em campo, estava em casa assistindo ao jogo sofreu, viu isso, sabe o que é uma tragédia de perto, o que é cair lá do alto, chegar com uma confiança exagerada e quebrar a cara. Se fora de campo a gente não conseguiu usar o 7 a 1 para produzir nada, eu acho que agora, ali no subconsciente dessa turma, vai estar o que aconteceu no Mineirão e depois do que aconteceu contra a Holanda. Acho que agora o 7 a 1 pode ser muito útil para esta turma de jogadores - acrescentou.

A seleção brasileira ainda pode bater um recorde nas eliminatórias sob o comando de Tite. Com quatro partidas para o fim do torneio, o Brasil pode alcançar os 45 pontos caso vença todas as partidas restantes, campanha que superaria os 43 pontos conquistados pela Argentina durante a qualificação para a Copa do Mundo de 2002.
Fonte:Sport Tv

Related

Notícias 2446540457751998044

Postar um comentário

TV Web TriLivre

Bem Vindo Ouvinte!

Seja bem vindo a Rádio Tribuna Livre, um portal de entretenimento garantido onde você vai poder ouvir as melhores músicas, ficar por dentro das notícias e interagir com a galera mais antenada da rede. Faça seus pedidos, participe das promoções e deixe seu dia muito mais animado com esse som!

Receba As Notícias por E-Mail

Qual seu Estilo?

Tempo em Juquiá

Tempo Juquia
item