Termina o julgamento do caso Laís.


Terminou no dia 12 de , após dois dias de júri, o julgamento dos três suspeitos de matar e ocultar o corpo da jovem Lais Eduarda Alves Bernaldo, de 17 anos. O julgamento teve início na terça-feira (11). A adolescente desapareceu no dia 28 de fevereiro de 2016 e, na época, o inquérito policial concluiu que ela havia sido morta. O corpo da jovem nunca foi encontrado.

Lais morava em Cajati, no interior de São Paulo. Ela foi à residência da avó para ajudar a cuidar dos sobrinhos e desapareceu no caminho de volta para a casa. O celular dela também não foi encontrado. 

O julgamento, que tramitou pela 1ª Vara Criminal de Jacupiranga, teve início por volta de 10h de terça-feira (11), tendo seguido até às 23h. Durante todo o dia, foram ouvidas 21 testemunhas de acusação e nenhuma de defesa, pois foram dispensadas. Também houve o interrogatório dos três réus.

Ontem, iniciando as 09h30, foram realizados os debates entre a promotoria e a defesa, sendo que por volta das 17h30  passou-se para votacao dos quesitos pela comissao do juri, composta por sete pessoas. 

Após, a juíza Dra. Gabriela de Oliveira Tomazze passou a leitura da sentença, tendo sido condenados os réus Rafael Jean Ferreira e Mauro Pontes Junior as penas de 18 anos e 04 meses de prisão pelas práticas dos crimes de homicídio duplamente qualificado, sequestro e ocultação de cadaver e absolvida a ré Bruna Keli Ferreira das acusações que lhe foram feitas.

Para o defensor de Bruna, Dr. Helder Piedade, não haviam provas suficientes que demonstrassem a participação de sua cliente nos fatos. "Precisamos de provas plenas e nenhuma dúvida para poder condenar alguém", ressaltou o defensor.

Entenda o caso

Laís não é vista desde fevereiro de 2016, quando saiu da casa da avó, após uma visita. Ela sumiu três dias depois de receber mensagens ameaçadoras  no celular. No dia do desaparecimento, ela teria ligado para a mãe, avisando que estava voltado para a casa, mas agiu de maneira estranha ao telefone.

“Enquanto ela estava na casa da avó, minha irmã a viu falando ao telefone, baixinho. Ela chegou pertinho para tentar ouvir a conversa, mas a Lais ficou quieta e só a outra pessoa falava”, lembra a mãe, Rosilda Alves da Silva. Depois disso, Lais saiu de casa e não foi mais vista.

No mesmo dia, ela também teria falado com Mauro, pai de sua filha, que confirmou a informação à polícia. Devido ao desaparecimento, a família acionou as autoridades, que passaram a investigar o caso. Na época, os investigadores levantaram a hipótese de a jovem ter sido sequestrada e morta.

Durante as investigações, a polícia fez uma perícia em uma casa da zona rural de Cajati, onde Lais teria sido levada pelos criminosos. No local, foram encontrados vestígios de sangue. O inquérito policial havia concluído que Bruna Keli, esposa de Mauro, foi a mandante do sequestro. Mauro e Rafael executaram a jovem e ocultaram o cadáver.

Related

Notícias 4744912982111381704

Postar um comentário

TV Web TriLivre

Bem Vindo Ouvinte!

Seja bem vindo a Rádio Tribuna Livre, um portal de entretenimento garantido onde você vai poder ouvir as melhores músicas, ficar por dentro das notícias e interagir com a galera mais antenada da rede. Faça seus pedidos, participe das promoções e deixe seu dia muito mais animado com esse som!

Receba As Notícias por E-Mail

Qual seu Estilo?

Tempo em Juquiá

Tempo Juquia
item